• Precisa de ajuda ?
    Entre em contato conosco pelo email contato@acervothai.com
Blog do Tigrão, Dicas do Tigrão

Especificidade desportiva e Muaythai – treino para render mais antes da luta!

Copie o link desta página: http://site.acervothai.com/CpwYD
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Eu acho que o Muaythai precisa de ciência, e você? Veja os atletas dos melhores eventos de MMA: eles são fortes e rápidos como nenhum lutador foi antes. E é por isso que hoje eu trago mais um estudo do Nuno Pantarotto. Nuno é ex-atleta, treinador na Equipe Omnoi Muay Thai 2015 e treinador de futebol. Confere aí!


Para a galera do Muaythai e interessados segue um trabalho que fiz para a FMU na matéria de Treinamento Desportivo. Esse trabalho foi desenvolvido ao longo desse ano juntando estudos de diversas modalidades, e com a parte prática e ESPECÍFICA do Muaythai.

O intuito desse trabalho não é contradizer os modelos atuais de treino, mas sim mostrar um modelo “diferente” de treinamento para atletas, com um foco maior na parte física, porém usando um método de treinamento integrado que trabalhe técnico e físico juntos.

Esse trabalho não é “patenteado”, então caso você goste, pode usar, alterar ou mesmo usar apenas 1 exercício entre os propostos.

Acredito que esse modelo ira apresentar uma melhor reposta na melhora das capacidades físicas do que outras propostas como Crossfit, musculação convencional ou corrida de rua, pois ele segue os princípios da especificidade como sua principal diretriz. Além de passar conceitos importantes da relação esforço e pausa para o próprio Muaythai. No final do texto coloquei algumas citações nas quais o trabalho foi baseado.

Esse modelo de treino foi baseado em cima de uma situação onde o atleta tem 4 semanas para se preparar para uma luta de 5 rounds de 3 minutos por 2 de descanso.

Preparar o atleta em cima dos 3 minutos é importante para que ele seja o mais eficiente possível, respeitando os conceitos de potência, capacidade e eficiência.

Não interessa um atleta muito potente com pouca capacidade, nessa situação por exemplo, o atleta consegue bater muito forte e muitas vezes, porém apenas 1 ou 2 rounds.

Um atleta muito capaz e pouco potente também não é o ideal , pois ele bate os 5 rounds, mas com pouca força.

Preparar o atleta dentro do tempo de atividade faz com que você ajuste a força e volume de golpes para bater forte os 5 rounds.

O treino foi dividido entre A e B, onde ambos devem ser feitos 3x na semana intercalados durante 3 semanas. A última semana seria de 3 dias de treino seguidos de descanso, caso não haja necessidade de tirar peso.

Nessa simulação – em específico, lutador e treinador decidiram que para a luta os golpes na linha de cintura seriam muito importantes. A estratégia de luta é adaptável a esse estudo.

O Muaythai é predominantemente Anaeróbio Lático (estímulos de alta intensidade por volta de 3 minutos) e Determinante Anaeróbio Alático (estímulos curtos e explosivos) e tem como principais manifestações a força, força explosiva e resistência de força explosiva.

  • Predominante : metabolismo mais “participativo” na luta;
  • Determinante : metabolismo mais importante nos momentos decisivos;
  • Força explosiva : relação de força velocidade;
  • Resistência de força explosiva: capacidade de manutenção dos estímulos rápidos.

A preparação TÉCNICA E FÍSICA do atleta é proposta dentro de uma academia de Muaythai, pois pelo fato das quatro últimas semanas serem um período PRÉ COMPETITIVO, a literatura diz que quanto mais próximo do gesto mecânico e especifico do evento (luta), melhores os resultados.

A ideia desse trabalho é trabalhar todas as principais demandas metabólicas e manifestações de força do Muaythai com 3 tipos de ESPECIFICIDADE, acreditando que assim a transferência do treinamento para a luta seja melhor.

Especificidade METABÓLICA: Exercicios que sejam similares aos esforços realizados por um atleta de Muaythai, por exemplo: eu não tenho por que correr longas distâncias e usar metabolismo aeróbio, já que esse metabolismo tem pequena parcela dentro da luta.

Especificidade MECÂNICA: Eu poderia fazer tiros de corrida e assim trabalhar metabolismo anaeróbio, porém o tiro de corrida não é mecanicamente similar a nada no muay thai. O trabalho recomenda que todos os exercícios sejam feitos com os movimentos do próprio Muaythai.

Especificidade SITUACIONAL: Por ser tratar de uma luta, onde há um adversário que se movimenta e cria diferentes situações para que o lutador tenha de tomar diferentes decisões, esse trabalho busca mostrar exercícios aplicando a força em situação real/mais similar possível.

Em relação ao treino: o Treino A será um dia de “choque”, de altíssimo desgaste, logo o treino B será mais moderado, para que haja um boa recuperação. A ideia é que o atleta treine sempre nos 100%, pois queremos qualidade de estímulos e não apenas quantidade. Esse modelo é similar a de muitos medalhistas olímpicos como Bolt, que alterna dias de choque com dias leves, moderados ou repouso.

Logo o treino B por ser mais moderado é o dia indicado para fazer todas as correções técnicas necessárias que devem ser feitas e alguns ajustes específicos.

Treino A (treino forte)

1 – Aquecimento especifico:

Descrição: 5 minutos de sombra seguido de alongamento e seguindo para soltura de quadril no saco. A ideia desse alongamento é preparar o corpo do atleta com os próprios movimentos do Muaythai e com o mínimo de desgaste possível para que os trabalhos a seguir sejam feitos na melhor qualidade possível

2 – Exercício para Força EXPLOSIVA de chute direito/esquerdo:

Descrição: utilizando o método de contraste, o atleta irá Realizar de 2 a 4 agachamentos com RM Maximo seguido de chutes “isolados” com a máxima força até o momento que o treinador sentir queda de rendimento. Após isso vem o intervalo de 2 a 3 minutos. Serão feitas duas séries para cada perna.

O intervalo longo é importante para que haja um total recuperação e esse chute possa ser feito sempre forte, e assim melhorar a força de forma isolada.

O Contraste é um método para trabalhar potência, que usa um estimulo de alta intensidade porém lento, seguido de um gesto explosivo.

3 – Exercicio para Força explosiva de socos (jab-direto, direto-gancho cintura, jab-gancho cintura).

Descrição: utilizando o método de contraste, o atleta ira realizar de 2 a 4 repetições no supino reto, seguido das combinações de jab-direto, até o momento que o treinador entender que se perdeu força. Após isso, 2-3 min de intervalo. Será feita uma série para cada uma das combinações citadas, com a mesma explicação do exercicio anterior

4 – Trabalho de potência anaeróbia alática no aparador.

Descrição: o atleta deverá realizar 10 segundos de chutes na maior velocidade e força possível com cada perna, com 2-3 minutos de intervalo entre as series, por 3x.

Estudos dizem que pode-se dar 10X mais descanso que o estimulo, então no caso, seria 100 segundos de descanso, porém se isso não for suficiente para que o atleta mantenha a força o descanso pode ser maior. Você pode medir essa força pela quantidade de chutes que o atleta dá em 10 segundos, se ele deu 20 no primeiro round, ele não pode dar só 15 no segundo – ele tem que manter os mesmos 20.

5 – Exercício de Resistencia de força explosiva de membros superiores.

Descrição: o atleta deverá realizar de 25 a 30 Socos retos segurando peso para RM (peso ajustado para fazer 25 a 30, pode ser 1/2/3/4, depende do atleta).

Após isso ele realizará um round de boxe com o treinador até perder a potência e/ou densidade. 2 rounds com recuperação de 2-3 min.

A ideia desse exercicio é que ele combine potência e volume, então não basta o atleta manter a força mas tem que manter o ritmo alto de golpes – para isso o treinador tem que ser apto a puxar o aparador em um estilo mais rápido .

6 – Trabalho de Potência Anaeróbio LÁTICO no aparador.

Descrição: O atleta ira utilizar o protocolo de HiiT adaptado, onde irá bater com maior densidade possível por 1 minuto e fará repouso ativo de 1 minuto com sombra.

Trabalho sem intervalo, intercalando 1 minuto com FORÇA e QUANTIDADE de GOLPES no aparador com 1 minuto de sombra, por 5 rounds.

7 – Trabalho de potência de Anaerobio lático no Sparring.

Descrição: O atleta deverar realizar sparrings na maior intensidade possível por 2 minutos com descanso de 2 minutos, procurando utilizar o jogo proposto para luta.

A ideia é que realmente o pau quebre, com muita quantidade de golpe e sem “amarrar” o round – são 5 rounds.

8 – Treino de Força de resistência e isométrica especifico da modalidade (clinch).

Descrição: O atleta irá realizar trabalhos de clinch por 2 minutos com 2 atletas diferentes de 1 em 1 minutos, por  5 rounds.

A ideia desse trabalho é similar à roda de clinch, porém mais intervalado para que quem esteja no meio fazendo força, realmente faça força e não fique apenas sobrevivendo.

Tempo total aproximado de treino 1 hora e 30 minutos.

TREINO B (treino leve)

Nesse treino, é importante que o atleta bata com um força relativamente similar ao dia anterior só que com bem mais espaço entre os golpes mais cadência, por esse motivo é o “ melhor dia” para corrigir e conversar.

1 – Aquecimento específico com 5 minutos de sombra seguido de alongamento e seguindo para soltura de quadril no saco.

2 – Aparado livre, 2×3 minutos por 2 de descanso.

3- Aparador técnico, 2×3 minutos apenas realizando algumas combinações do jogo, estratégias de luta .

4 – Sparring, 5×3 minutos cadenciado com foco em correção técnica e ou aplicar o jogo.

5 – Clinch, 5×3 com a parte técnica e algumas pegadas e saídas especificas .

7 – Alongamento

Espero que tenham ficado claro as sugestões. Todos os exercícios propostos são feitos normalmente em todas as academias, eles só foram sistematizados, organizados em uma periodização e as variáveis foram manipuladas para que se possa trabalhar da melhor forma.

Segue algumas citações de autores da literatura nos quais fiz esse trabalho.

Verkoshanski: “o treinamento específico é mais funcional pelo aumento considerável da amplitude da ativação elétrica dos músculos durante execução de tal tipo de treino. Isso se explica pela incorporação da maior quantidade das unidades motoras no trabalho. Assim, o potencial das unidades motoras já em atividade soma-se aos daquelas então mobilizadas e o efeito elétrico geral aumenta.”

Carroll: “grande parte dos ganhos de força se dá muito mais pelas conexões neurais do que pela hipertrofia muscular”

Weineck: “uma melhor coordenação intermuscular e intramuscular proporciona uma ativação mais rápida de fibras musculares em atletas treinados”.

Bacural: “o individuo treinado logo consegue recrutar mais fibras do que o não treinado gerando assim mais força” .

E segundo Vitor Frade, em esportes de características abertas com tomadas de decisão, o treino próximo a realidade do jogo terá maiores resultados pois contextualiza os gestos mecânicos.

Valeu Marco Antonio pela ajuda e toda galera da Omnoi MuayThai Gym 2015 pelos anos juntos. Se hoje eu desenvolvi um trabalho de treino que seja tão especifico foi graças a muito treino com vocês.

Veja também: Demandas metabólicas e corrida no Muaythai


Nuno Pantarotto (@nuno4040)
Ex-atleta e Treinador na Equipe Omnoi Muay Thai 2015
Licença C Cbf  – Treinador de futebol nos EUA – Tetrabrazil/Challengersports
Novas Abordagens da preparação Física – Universidade do Futebol

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

Comentários

Comentários

Copie o link desta página: http://site.acervothai.com/CpwYD